Voltar para listagem
Autor(a):

Data do Post
04/06/2019
/Papo médico

Cuidados Paliativos

 

National Consensus Project (PCN) publicou a 4ª edição de Diretrizes de Prática Clínica para Cuidados Paliativos de Qualidade.

O objetivo das diretrizes do PCN é “melhorar o acesso a cuidados paliativos de qualidade para todas as pessoas com doença grave, independentemente da configuração, diagnóstico, prognóstico ou idade”.  

Além disso, buscam incentivar e orientar as organizações de saúde e clínicos em todo o continuum de cuidados para integrar os princípios de cuidados paliativos e melhores práticas em sua avaliação de rotina e atendimento de todos os pacientes gravemente doentes e seus cuidadores familiares.

A nova edição inclui informações extraídas de uma revisão sistemática de evidências publicadas em abril de 2018 por um painel de técnicos especialistas e é dividida em 8 domínios.

 

Domínio 1: Estrutura e processos de cuidado

Os princípios e práticas de cuidados paliativos podem ser integrados em qualquer ambiente de cuidados de saúde, ministrados por todos os médicos e apoiados por especialistas em cuidados paliativos que fazem parte de uma equipe interdisciplinar com as qualificações profissionais, educação, treinamento e suporte necessários para proporcionar a melhor assistência ao paciente e cuidado centrado na família.

 O cuidado paliativo começa com uma avaliação abrangente e enfatiza o envolvimento do paciente e da família, a comunicação, a coordenação do cuidado e a continuidade dos cuidados em todos os ambientes de assistência à saúde.

 

Domínio 2: Aspectos Físicos do Cuidado

O cuidado físico de pacientes gravemente doentes começa com uma compreensão dos objetivos do paciente no contexto de seu bem-estar físico, funcional, emocional e espiritual. A avaliação e o plano de cuidados concentram-se no alívio dos sintomas e na melhoria ou manutenção do status funcional e da qualidade de vida.

O manejo dos sintomas abrange tratamentos farmacológicos, não farmacológicos, intervencionais, comportamentais e complementares. O cuidado físico, o manejo agudo e crônico dos sintomas em todos os ambientes de atendimento, é realizado por meio da comunicação, colaboração e coordenação entre todos os profissionais envolvidos no cuidado dos pacientes, incluindo os prestadores de cuidados primários e especializados.

 

Domínio 3: Aspectos Psicológicos e Psiquiátricos do Cuidado

A equipe interdisciplinar de cuidados paliativos aborda sistematicamente os aspectos psicológicos e psiquiátricos do cuidado no contexto de doenças graves. Equipes interdisciplinares realizam exames mentais abrangentes, sensíveis ao desenvolvimento e à cultura, de pacientes gravemente enfermos.

O assistente social facilita a avaliação e o tratamento da saúde mental em todas as situações de cuidado, seja diretamente, em consulta ou por meio de encaminhamento para atendimento psicológico e/ou psiquiátrico em nível especializado.

A equipe interdisciplinar comunica ao paciente e aos familiares as implicações dos aspectos psicológicos e psiquiátricos do cuidado no estabelecimento de metas de cuidado e no desenvolvimento de um plano de tratamento, abordando conflitos familiares, fornecendo apoio e recursos do ponto de vista do diagnóstico e fornecendo encaminhamentos para pacientes ou membros da família que precisam de suporte adicional.

 

Domínio 4: Aspectos Sociais do Cuidado

Os fatores sociais têm uma influência forte e às vezes preponderante sobre os pacientes com uma doença grave. Cuidados paliativos abordam fatores ambientais e sociais que afetam o paciente, a família e a qualidade de vida.

A equipe interdisciplinar de cuidados paliativos se une ao paciente e sua família para identificar e apoiar seus pontos fortes e abordar áreas de necessidade. A equipe interdisciplinar inclui um profissional assistente social para maximizar a capacidade funcional do paciente e alcançar os objetivos do paciente e da família.

 

Domínio 5: Aspectos Espirituais, Religiosos e Existenciais do Cuidado

A espiritualidade é reconhecida como um aspecto fundamental dos cuidados paliativos centrados no paciente e na família. É um aspecto dinâmico e intrínseco da humanidade, através do qual os indivíduos buscam significado, propósito, transcendência e experiência de relacionamento com o eu, a família, os outros, a comunidade, a sociedade e o sagrado.

Espiritualidade é expressa através de crenças, valores, tradições e práticas. A equipe interdisciplinar de cuidados paliativos atende a pacientes e familiares de uma maneira que respeite suas crenças e práticas espirituais. Também é respeitosa quando os pacientes e as famílias se recusam a discutir suas crenças ou aceitar apoio espiritual.

 

Domínio 6: Aspectos Culturais do Cuidado

Avaliar e respeitar valores, crenças e tradições relacionadas à saúde, doença, papel de cuidador familiar e tomada de decisão constituem o primeiro passo para a prestação de cuidados paliativos culturalmente sensíveis.

 Os membros da equipe interdisciplinar de cuidados paliativos devem ter consciência de seus próprios preconceitos e percepções sobre raça, etnia, identidade de gênero e expressão de gênero, orientação sexual, status de imigração e refugiados, classe social, religião, espiritualidade, aparência física e habilidades.

As informações coletadas por meio de uma avaliação abrangente são usadas para desenvolver um plano de cuidados que incorpore recursos e estratégias culturalmente sensíveis para atender às necessidades de pacientes e familiares. O reconhecimento respeitoso e o apoio culturalmente sensível às práticas de luto do paciente e da família são fornecidos.

 

Domínio 7: Cuidar do Paciente Aproximando o Fim da Vida

Este domínio destaca os cuidados prestados ao paciente e aos familiares próximos ao final da vida, com especial ênfase nos dias que antecederam e logo após a morte do paciente.

 A avaliação e o gerenciamento meticulosos e abrangentes da dor e de outros sintomas físicos, assim como aspectos sociais, espirituais, psicológicos e culturais do cuidado, são extremamente importantes à medida que o paciente se aproxima da morte.

 É essencial que a equipe interdisciplinar garanta acesso e atenção confiáveis ​​nos dias que antecedem a morte e forneça educação adequada para o desenvolvimento ao paciente, família e/ou outros cuidadores sobre o que esperar perto da morte, bem como imediatamente após a morte do paciente.

O modelo interdisciplinar de cuidados paliativos é reconhecido conceitualmente e filosoficamente como o melhor atendimento para pacientes próximos ao final da vida. A discussão sobre cuidados paliativos como opção de apoio deve ser introduzida precocemente para que pacientes e familiares possam compreender a elegibilidade e os benefícios e limitações do acesso a esse modelo de atenção.

 

Domínio 8: Aspectos Éticos e Legais do Cuidado

A equipe interdisciplinar de cuidados paliativos aplica princípios éticos ao cuidado de pacientes com doenças graves, incluindo honrar as preferências do paciente, bem como decisões tomadas por procuradores legais ou tomadores de decisão substitutos.

É importante observar que, em todos os casos, as obrigações dos substitutos são representar as preferências ou os melhores interesses do paciente. É necessário familiarizar-se com leis locais e estaduais relacionadas ao planejamento antecipado de cuidados, decisões referentes a tratamentos de manutenção da vida e tratamentos em evolução com ramificações legais (por exemplo, maconha medicinal), especialmente ao cuidar de populações vulneráveis, como menores, prisioneiros, incapacidade de desenvolvimento ou doença psiquiátrica.

Para ler as diretrizes da prática clínica para cuidados paliativos na íntegra, clique aqui.