Voltar para listagem
Autor(a):

Data do Post
03/06/2018
/Notícias

ASCO - Estudo Israelense

Um estudo Israelense apresentado em formato de poster no congresso da ASCO 2018 analisou 162 pacientes com câncer de mama portadoras da mutação genética. 50% do grupo foi apenas observado e 50% recebeu radioterapia profilática na mama contralateral à mama do tumor primário. O grupo que não recebeu radioterapia apresentou 11,11% de chances de recaída em 05 anos comparado a 2.4% de chances de recaída para o grupo que recebeu radioterapia. Uma diferença significativa. 

Pacientes de câncer de mama portadores da mutação genética Brca1 e Brca2 apresentam mais chances de desenvolvimento de um segundo tumor primário na mama contralateral a que apresentou o primeiro tumor primário.

O estudo ainda não é uma mudança de protocolo mas abre o alerta para a necessidade de estudos randomizados e com maiores números de pacientes para validação de hipótese sobre a radioterapia profilática em mama contra lateral a mama de tumor primário em pacientes portadores de mutação genética Brac1 e Brca2.

 

Fonte: Oncologia Brasil https://bit.ly/2sqR77K