Voltar para listagem
Autor(a):

Data do Post
07/09/2017
/Notícias

Trastuzumabe será produzido no Brasil

A Roche transferirá o conhecimento técnico para que o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e a empresa Axis Biotec produzam o trastuzumabe no país.

Até então, a droga era importada pelo governo brasileiro e oferecida na rede pública, desde 2013, apenas para as pacientes com câncer de mama HER2-positivo em estágio inicial ou localmente avançado. A partir de fevereiro, o trastuzumabe estará disponível no SUS também para as mulheres com doença metastática.

Segundo informações do governo do Paraná, que assinou o acordo de transferência de tecnologia, o Tecpar será o fornecedor exclusivo de trastuzumabe para o governo federal até 2019. Depois disso, atenderá 40% da demanda do SUS. O acordo representa mais de 103 mil doses por ano a serem distribuídas às pacientes.

Uma vez concluída a transferência de tecnologia, o medicamento produzido pelo instituto paranaense precisará do registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para posterior precificação pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). Segundo o Ministério da Saúde, somente após a conclusão desse processo poderão ser divulgados os valores exatos da economia com a fabricação nacional da droga. A patente do trastuzumabe expira em 2019. O Tecpar está negociando diretamente com a Roche para fornecer 100% do medicamento ao SUS até lá.

Por seu alto custo – média de R$ 42 mil em seis meses de tratamento – a droga está entre as mais judicializadas no Brasil. Também consta da lista da Organização Mundial da Saúde (OMS) que reúne medicamentos considerados essenciais para os pacientes oncológicos.

Fonte:http://bit.ly/2eL4PP0