BRCA1 e BRCA2

Para reduzir os riscos de câncer de mama, a remoção dos ovários ou das mamas é uma proposta que deve ter base nos respectivos fatores de risco e redução esperada em um diagnóstico de câncer de mama de uma mulher. 

Alterações genéticas são o principal indicativo dessas cirurgias, principalmente pelas mutações encontradas nos genes BRCA1 e BRCA2, que determina o risco de câncer de mama entre 81% e 85% nas portadoras desta mutação.

No caso das portadoras do BRCA1, o risco de desenvolver o câncer de mama até os 70 anos será de 60% e de 55% se o BRCA2 estiver presente. É importante destacar que as mulheres que são portadoras do gene BRCA1 que possuem histórico de amamentação em um período mínimo de 12 meses, reduzem em mais de 30% o risco do câncer de mama. Retirar os ovários ao redor dos 40 anos reduz o risco em mais de 50%, nas portadoras dos genes BRCA1 e BRCA2.